Subscrição de CoffeeLetters

Segundo dados divulgados pela Organização Internacional do Café (OIC), os preços do café sofreram novas quedas em Outubro passado, com os preços dos quatro indicadores dos grupos de café a descerem rapidamente ao longo do mês.
A média mensal do preço indicativo composto está agora no seu nível mais baixo desde Março de 2009, além de que a tendência de queda acentuada observada nos últimos dois anos não mostra qualquer sinal de desaceleração.


Como berço do café espresso, Itália continua a promover a divulgação da paixão e cultura desta bebida. O próximo dia 10 assinala o arranque do encontro anual 'Io Bevo Espresso', que envolve o Instituto Nacional Espresso Italiano e diversas empresas do sector.
Seminários, degustações, cursos e visitas guiadas compõem um intenso programa de atividades, que oferecerão aos interessados a oportunidade de participar e descobrir o mundo do café em todas as suas vertentes: do cultivo à torra, culminando nos métodos de preparação com máquinas profissionais.


Um grupo de cientistas norte-americanos concluiu que a melhor hora para tomar a sua dose diária de cafeína é no período entre as 09:30 e as 11:30 da manhã, e não necessariamente ao acordar, como muitos podem pensar.

Em causa está o modo como o café interage com o nosso sistema hormonal, particularmente com o cortisol, que gere o "relógio biológico" e promove o estado de alerta.
Os níveis de cortisol são naturalmente elevados ao acordar e podem permanecer altos durante até uma hora depois de nos levantarmos (o pico é entre as 08:00 e as 09:00).


Segundo um estudo internacional do Instituto de Informação Científica sobre Café, o consumo moderado de café pode reduzir até 25% do risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2, avança comunicado de imprensa.


O consumo de café reduz o risco do tipo mais comum de cancro do fígado, o carcinoma hepatocelular (HCC) em cerca de 40%. Além disso, alguns dados indicam que três chávenas de café por dia reduzem em mais de 50% os riscos de adquirir a doença.


As exportações de café do Uganda aumentaram 32%, na temporada 2012/13, para 3,6 milhões de sacas de 60kg, maior patamar em mais de 10 anos, afirmou a Autoridade de Desenvolvimento de Café do Uganda (UCDA, na sigla em inglês) nesta Quarta-feira. Segundo a estatal, condições climáticas favoráveis impulsionaram os rendimentos das lavouras, o que levou a colheitas maiores nas áreas de cultivo do centro, oeste e sul do país.
No ciclo anterior, o país exportou 2,73 milhões de sacas. A temporada de café do Uganda estende-se de Outubro a Setembro.


Páginas